Rua Dom Wilsom Laus Schmidt, 277, Córrego Grande, Florianópolis/SC, Brasil

Conceito de arte na visão espírita

Deus, ou o Amor Cósmico Universal Onipresente é a suprema perfeição e beleza, além do artista por excelência.

Através das Leis da Natureza, que são as Leis de Deus, foi artisticamente concebido o espírito humano.

Ao sermos criados recebemos, pelo toque divino, a semente da mais pura arte, que permanece latente em nosso inconsciente. Cumpre a cada um de nós criar as condições, no solo fértil do estudo, para desenvolver o embrião dos pendores artísticos.

A arte legítima é como a religiosidade, uma manifestação de nosso espírito na busca incessante de nossa origem, a busca do belo e da perfeição.

Acreditamos que a Educação Especializada seja importante para fertilizar o solo à semente da arte, porém, acima de tudo acreditamos que cada artista já traz em seu espírito, pelas experiências anteriores, um pendor inato que apenas desabrochará nas flores de suas realizações.

Há gênios da arte que jamais cursaram um ensino superior, mas suas múltiplas existências anteriores como artista geraram um potencial notável para a arte. Trazem no seu Espírito as vivências nesta área.

O artista, normalmente, é um inspirado. Vive mais na esfera espiritual do que na física. Capta as mensagens do mundo transcendental com facilidade e as materializa na sua obra.

O artista  sente mais intensamente as recordações de seu passado,  tanto  desta  vida  como   das   anteriores.

Através da expansão de sua  consciência efetua um mergulho nas águas profundas do  inconsciente, trazendo inspirações para a superfície de sua consciência atual.

Projeta-se às vezes em sonho, fora do corpo físico e filtra as percepções artísticas que vão além do convencionalismo do mundo.

Lamentavelmente, existem talentos que, na preocupação excessiva da originalidade, tornam-se cortejadores da glória efêmera e se distanciam da arte legítima, nada mais conseguindo refletir do que a perturbação dos tempos que passamos. Fixam-se na futilidade do mundo e expressam na sua arte concepções extravagantes e doentias.

O verdadeiro artista também  é capaz de perceber na natureza o livro divino onde Deus escreve a história de sua sabedoria. Sentir o acorde sonoro dos pássaros, a música dos ventos e da cachoeira, observar o desenho das flores, as mensagens plásticas ou cênicas das matas e oceanos, enfim expressar sensibilidade e amor em suas obras.

Por Ricardo Di Bernardi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *