Rua Dom Wilsom Laus Schmidt, 277, Córrego Grande, Florianópolis/SC, Brasil

Revivência Mnemônica no Suicida

Todos nós quando regressarmos ao mundo extrafísico, no momento do desencarne, passaremos pela experiência de recapitulação das etapas vividas na última reencarnação. Este fenômeno, conhecido como recapitulação panorâmica ou Revivência Mnemônica, é assistido e vivenciado pelo desencarnante como uma projeção cinematográfica tridimensional. A revivência mnemônica ocorre em poucos minutos, embora possa ser sentida por alguns, na dimensão espiritual, como se fosse um período muito mais longo.

No momento da morte biológica, a ausência do metabolismo físico determina uma reflexa redução do metabolismo no corpo espiritual, conseqüentemente, uma retração ou contração das moléculas perispirituais. Nesta fase, a consciência reduz sua manifestação e o perispírito, também por reflexo, é compelido, novamente, a contrair suas moléculas. Inicia-se, então, no dizer de André Luiz, a histólise perispiritual ou seja a decomposição de alguns componentes do tecido perispiritual que estavam presos à estrutura física.

Durante a contração perispiritual, decorrente da diminuição da energia cinética das moléculas extrafísicas, o perispírito absorve uma parte das energias vitais do corpo biológico; energias estas que serão recicladas no corpo espiritual para sua adaptação ao novo meio – o mundo extrafísico,- tal qual uma crisálida que se transmuta em borboleta adaptando-se a nova realidade dimensional.
Analogamente a uma mola comprimida, em reação à contração perispiritual ocorrida, logo há uma expansão perispiritual. As moléculas aumentam sua vibração ao integrarem as energias vitais recém-captadas do corpo físico. Há agora a histogênese espiritual, ou seja a automática reconstrução do perispírito. A consciência passa a reagir , acentuando sua expressão energética, expandindo-se. Neste momento de expansão , passa a recapitular , rapidamente, toda a experiência vivida na matéria, é a Revivência Mnemônica.

A sabedoria da natureza, Lei Universal, assim estabelece para que os tecidos extrafísicos fixem as experiências adquiridas e gerem, automaticamente, a programação corretiva. Após esta rápida expansão, advém nova contração molecular levando o desencarnante a um sono reparador. Despertará para a nova realidade na atmosfera espiritual.
A seqüência dos fenômenos citados dar-se-á em minutos, horas,meses ou anos, conforme o nível ético e evolutivo da entidade desencarnante.

No caso específico dos espíritos suicidas, a consciência reduz muito sua expressividade como reflexo da “negação em existir” , ocorrendo uma contração perispiritual prolongada. Como em todos os desencarnados, se processa a histólise perispiritual ou seja a decomposição ( parcial ) dos tecidos que prendiam o corpo espiritual ao biológico. Sucede, no entanto, uma grande lentidão na absorção das energias vitais que circulavam no corpo material, estas energias necessitam ser transmutadas ou recicladas como novos elementos integrantes do perispírito, porém , deslocam-se com dificuldade pelo laço fluídico (cordão de prata). A chamada histogênese espiritual faz-se lentamente…

O “quantum ” de energia vital, que se encontrava aderido a estrutura biológica, existia em volume adequado a programação maior de tempo de vida física. Esta energia não desaparece, permanece viva e vibrante, cumprindo, automaticamente, sua função de fixar o corpo espiritual ao corpo físico, neste caso, ao cadáver.

Mentores espirituais, da equipe especializada em autocídios, permanecem atuantes laborando em benefício de cada caso. Cumpre notar, no entanto, que as Leis da Natureza são imutáveis pois são perfeitas, e obedecem a uma programação automática.

O laço fluídico ( cordão de prata), que veicula as energias de decomposição, não pode ser desatado precocemente por estar intensamente fixo, pelo duplo etérico, ao corpo físico. A auto-reconstrução do perispírito far-se-á demoradamente…

A assimilação perispiritual da energia vital do corpo biológico, via “cordão de prata”, transita demoradamente no sentido corpo material-corpo astral, fazendo com que os fenômenos de decomposição cadavérica sejam sentidos pelo desencarnante.

Mesmo quando Espíritos de Luz conseguem desatar os laços fluídicos, a histogênese perispiritual estaciona e a Revivência Mnemônica se fixa de forma intensa, no momento da morte. Esta revivência passa a repetir-se, sendo assistida e vivenciada inúmeras vezes pelo suicida.

Conforme o gênero de autocídio cometido, há desenvolvimento de uma patologia perispiritual específica , relacionada ao processo traumático a que o corpo foi submetido no ato suicida.

Naturalmente, existem atenuantes que reduzem a gravidade dos sintomas, entre os quais o somatório de atos construtivos e amorosos praticados durante a encarnação ora finda. A todo instante, equipes fraternas e tecnicamente habilitadas procuram reduzir o sofrimento do suicida doando-lhe luz e intuindo sua mudança de postura vibratória. Cedo ou tarde estará recuperado, podendo ser acolhido nos Postos de Socorro da espiritualidade e encaminhado a nova reencarnação.

Vibremos com amor em seu benefício.

Ricardo Di Bernardi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *