Rua Dom Wilsom Laus Schmidt, 277, Córrego Grande, Florianópolis/SC, Brasil

Chakra Frontal ou Chakra cerebral (Ajna) ​

​​Este chakra, redemoinho de energias, lembra um exaustor-ventilador de 96 pás. Situa-se entre as sobrancelhas. Muito frequentemente é descrito como de cor azul anil, mas, muitos clarividentes o veem em cores rosa e amarelo. Liga-se intensamente a glândula hipófise, a maestrina do concerto endócrino. O Chakra frontal tem ação direta no cérebro,  comandando os cinco sentidos.

Este chakra é responsável pela vidência do mundo astral, as imagens são captadas pela parede lateral da retina, especializada em percepções visuais na obscuridade. Tal fato se evidencia quando os videntes percebem uma imagem astral ao seu lado (percepção pela parede lateral da retina), mas ao se virarem para vê-la de frente, buscando captar a visão pela mácula lútea que não é apropriada para a visão astral, mas para a visão física, a imagem desaparece. Eles terão de habituar-se a focalizar a imagem sem a fitar de frente.

Na clarividência, á distância, forma-se um tubo de energia (tubo fluídico) que parte do chakra frontal até a cena que deve ser vista. Daí os faraós e videntes (ou clarividentes) do Antigo  Egito serem representados com uma serpente  o “uréu” que lhes saía da testa, simbolizando a visão astral desenvolvida.

A clarividência do chakra frontal pode acessar fatos astrais em outros espaços ou tempos.

Outro tipo de percepção captada pelo frontal são as formas-pensamento, criadas pelas mentes do próprio encarnado, de outros encarnados ou por desencarnados. Essas formas-pensamento são matéria etérica, ou seja, arranjos de fluido vital mantidos consciente ou inconscientemente por mentes vivas, ou “mortas”, que na realidade estão mais vivas do que nós. Essas formas-pensamento também são designadas de ideoplastias.  Podem ser confundidas com espíritos.

O terceiro tipo de clarividência que também pode estar ligada ao chakra frontal é a vidência mental. As visões parecem como que “imaginadas”  ou como “um sonho acordado”. “eu vejo sem ver, mas eu vejo” são expressões que escutamos. Com o tempo se adquire a segurança. Há inúmeras definições e conceitos, mas de um modo geral o termo “vidência mediúnica” deve ser usado quando se vê e se interage com espíritos. Clarividência quando não há a interação inteligente com Espíritos.  Quando se  vê objetos materiais à  distãncia, imagens etéricas (de fluido vital), ou imagens  do mundo astral, casas, construções, veículos, artefatos, locais, diz-se ser uma percepção anímica ou paranormal.

Outro modo de se entender é considerar que: nenhum tipo de vidência é mediunidade, pois  não recebe de nenhum Espírito desencarnado a imagem, ela, a pessoa mesmo é que vê. Há autores que consideram a vidência sempre uma capacidade ou faculdade anímica e nunca como mediunidade, seja como for… Não devemos dizer que a pessoa tem um  Dom, pois soaria como algo místico,  de superioridade ou até tendente ao fantasioso.

Assim como todos os cinco sentidos são subordinados ao chakra frontal, este é também responsável pela clariaudiência ou mediunidade de audiência, quando a voz do Espírito soa dentro do ouvido do médium. Os médiuns comentam que não sentem  a voz vindo pelo ar atmosférico, mas a voz soasse diretamente dentro da caixa craniana.

Um segundo tipo de clariaudiência é quando ouvem vozes ou sons que vibram à distância, nesse caso pode-se perceber (às vezes) um tubo de energia ou tubo acústico saindo do ouvido da pessoa. Esta percepção pode ser de espaços ou de tempos diferentes do atual. Neste caso pode ser uma voz sem som, “ouço, percebo, entendo e sinto a voz, mas na realidade eu não a escutava” é um ouvir sem som físico, diferente do primeiro tipo de clariaudiência.

Outra função do chakra frontal (cerebral)  é a clareza de raciocínio e a percepção intelectual que se aprimora com o desenvolvimento deste chakra (Não seriam meras técnicas, são encarnações sucessivas de aprimoramento), especula-se, sem certeza, que uma projeção na testa na região entre as sobrancelhas poderia advir deste desenvolvimento. Não nos precipitemos, aguardemos…

Como o chakra frontal gira para fora e para dentro, sob treinamento em grupos de irradiação mental (como se faz no ICEF- Instituto de Cultura Espírita de Florianópolis). Exercita-se a saída de energias deste chakra e se desprendem raios que podem ser direcionados em trabalho de amor e caridade espiritual para transmitir  calma, conforto,  alívio, equilíbrio, saúde e, sob treinamento, ampliar este potencial de doação se especializando o trabalho. Esta irradiação não necessita nem deve estar associada a gestos, imagens físicas ou figuras, apenas à vontade  e à força mental dos emitentes.

Ricardo Di Bernardi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *